•   Jerusalém  ( )

 

 

JERUSALÉM

 

 

Jerusalém - Israel

          Multidão se reúne diante do muro das Lamentações, em Jerusalém, para oração coletiva antes do amanhecer do Iom Kipur, o dia do Perdão judaico Dan Balilty/AP



 

VOCÊ VAI VIAJAR ?

 

NÃO PERCA TEMPO FAZENDO PESQUISAS. 

 

NÓS FAREMOS TODO O ROTEIRO (DIA A DIA) PARA VOCÊ.

 

CONSULTE-NOS: 

 

E-MAIL: contato@consultordeviagens.com

FONE:  (41) 9943-5960.

 



 

 

Sagrada para tantas religiões, Jerusalém tem um lado moderno e laico que pouca gente conhece

 

 

A cidade sagrada para as três principais religiões monoteístas está dividida em duas: a chamada “Cidade Velha” (cujos limites são as muralhas) e a “Cidade Nova” (a parte de fora).

 

Ocupando uma área de apenas um quilômetro quadrado, a Cidade Velha é dividida em quatro bairros (judaico, muçulmano, cristão e armênio).

 

No limite entre o quarteirão judaico e o muçulmano estão os lugares mais sagrados para cada um deles: o Muro das Lamentações e a Mesquita do Domo da Rocha, respectivamente.

 

A Via Sacra, sagrada para os cristãos, está espalhada entre os blocos muçulmano e cristão.

 

Todo esse caldeirão cultural torna esta parte de Jerusalém uma verdadeira sopa de credos e costumes.

 

Em vários pontos, a Via Sacra coincide com os souks (ruas de comércio árabes), de modo que cristãos de diversas linhas andam por entre lojinhas repletas de badulaques e cruzam com árabes, judeus ortodoxos e soldados israelenses carregando seus fuzis.

 

Uma situação que pode parecer tensa, mas é só um dia normal em um dos lugares mais peculiares do mundo.

 

Apesar da denominação, a parte nova conta com alguns sítios históricos tão ou mais antigos que os compreendidos dentro da muralha.

 

A Jerusalém da época do Rei David, por exemplo, hoje são escavações que podem ser visitadas e estão fora das muralhas.

 

Assim como alguns dos locais mais sagrados para o Cristianismo, como o Jardim das Oliveiras.

 

Visitar Jerusalém significa um mergulho no passado.

 

Mas há também a parte moderna e laica dessa cidade de 700 mil habitantes (quase 10% da população do país), declarada capital em 1950.

 

Principalmente no verão, os bares no centro da parte nova ficam cheios de jovens.

 

E lugares como a Antiga Estação de Trem são boas pedidas para continuar a noite em um país que é conhecido pelas baladas de música eletrônica.

 

Jerusalém reúne ainda alguns dos mais tecnológicos museus do mundo.

 

 

Fonte: uol

 

 

MAIS INFORMAÇÕES:

http://www.consultordeviagens.com