RÚSSIA

 

RÚSSIA

 

 

São Petersburgo  ( ♦ )

 

SÃO PETERSBURGO

 

São Petersburgo

São Petersburgo

 

Antiga capital czarista, São Petersburgo se torna um dos principais e mais elegantes centros culturais do Leste Europeu.

 

Esqueça a imagem clássica de um brutamontes bebendo vodca com chapéu de pelos no inverno.

A ex-capital do Império Russo, São Petersburgo, transpira nobreza e traz à luz um glamour inigualável em todo o mundo.

Pelas largas avenidas e canais onde o frio cortante potencializado pelo Rio Neva, que passa 237 dias por ano coberto com gelo, imensidão e requinte nos detalhes das fachadas e por detrás delas.

A capital do czarismo russo é tão luxuosa que seus habitantes parecem não achar muita graça nas clássicas Paris e Roma, por exemplo.

Herança e uma carga histórica longínqua, assinada por nomes épicos como Catarina ou Pedro, o Grande, fazem da cidade localizada na entrada do Golfo da Finlândia, tão ou mais importante que Moscou.

Diferentemente da capital russa, a cidade que já se chamou Petrogrado e Leningrado é o berço da sociedade russa, assim como da burguesia que transformou o país.

Artistas como o romancista Fiódor Dostoevsky, que nasceu e viveu em São Petersburgo, fazem dela a capital cultural do país por excelência.

Mas as coisas começam a fazer sentido quando se descobre o desbunde protagonizado por czares e czarinas.

A aura fina e delicada é comprovada na obra-prima de Alexander Sokurov, o “Arca Russa”.

No plano-sequência de 90 minutos, o cineasta discorreu sobre vitórias, fracassos e formação de uma civilização em um dos cenários mais pomposos da cidade: o Hermitage.

 

Museu Hermitage - São Petersburgo

Museu Hermitage – São Petersburgo

 

O ex-Palácio de Inverno, que hoje é considerado o maior museu do mundo, consegue remeter quem o visita, a uma época em que luxo e grandeza demais nunca eram o suficiente para quem detinha poder sobre 22.400.000 quilômetros quadrados do planeta.

Fundada pelo czar Pedro, o Grande em maio de 1703, a cidade serviu de capital do Império Russo por mais de 200 anos.

E foi apenas depois da Revolução Russa de 1917 que a capital passou para Moscou.

Antes disso acontecer, aqueles que viajavam de Moscou para São Petersburgo levavam 3 dias na estrada.

Os russos costumavam dizer que não viajavam, mas viviam no caminho.

Pedro teria criado a capital russa em um pântano que teve de ser drenado pelo canais que enfeitam a cidade.

Remodelada para seu tricentenário, em 2003, hoje São Petersburgo tenta atrair o máximo de interesse e investimentos provenientes de turistas e empresas do Ocidente.

Atualmente São Petersburgo é a segunda maior cidade do país, com cerca de 4,9 milhões de habitantes, e mais 6 milhões vivendo no entorno.

Possui cena noturna e de diversão intensa, com compras e restaurantes.

É considerada um dos principais centros culturais da Europa, além de ser um importante porto russo no Mar Báltico.

O orgulho da cidade se dá também por seu protagonismo na História moderna.

Foi em São Petersburgo que o Exército de Hitler acabou derrotado pelos soldados vermelhos.

Em meio à neve e ao frio castigante do temível inverno russo, as forças do Eixo caíram definitivamente e aproximaram o momento de declaração sobre o fim da Segunda Guerra.

Nomes da história atual, como  Vladimir Putin e Dmitri Medvedev, também iniciaram sua trajetória na cidade no norte do país.

Por abrigar palácios em quase todas as suas regiões, São Petersburgo tem construções que tornam-se atração.

Czarismo é o espírito de uma época que define, por excelência, a majestosa cidade.

Bem servida de bons restaurantes e cafés, a metrópole é detentora de construções que, dada à carga histórica, são tombadas e classificadas patrimônio da Unesco.

Para os bon vivants, atrações nunca faltaram.

Do café com torta ao balé no teatro, nos moldes imperiais, São Petersburgo é tão suntuosa e romântica quanto Veneza.

Mas, talvez, ainda mais charmosa e interessante.

Caminhe pela Nevsky livremente e sem destino.

Além das muitas surpresas que podem surgir ao longo da rota, é uma boa chance de descobrir antigos palácios, lojas, cafés, estúdios, escritórios, livrarias com mais de 60 anos e o cotidiano na cidade russa.

Coma com olhos, mas não toque.

Atenção: apesar de tirar fotografias, em tese, ser um direito universal do turista, o melhor é ter cuidado e certificar-se antes de que fotos são permitidas.

Apesar de não haver nenhuma placa com símbolo dizendo expressamente que não se pode fotografar (muito provável que estejam escrito somente em russo), o risco de ser multado (como, por exemplo, no metrô) é gigantesco.

Fonte: uol

 

MAIS INFORMAÇÕES:

www.consultordeviagens.com

Fale conosco

×